sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Aliança

O uso do anel de ouro representa uma aliança, um compromisso assumido com a pessoa que se ama.
Significa uma relação de proximidade e intimidade, de união por toda a vida. Fazer uma aliança com alguém corresponde a uma entrega sem reservas, expressa o desejo de uma declaração pública do encontro de uma alma que nos completa e nos alicerça e é cândida. Torna-se a lembrança do pacto entre um homem e uma mulher.

O anel de aliança tem um formato circular, o que é um simbolismo de eternidade, porque o círculo não tem princípio nem fim. Sem princípio porque alguns só precisavam se encontrar, o amor já estava escrito e o fim não será possível, porque o verdadeiro amor nunca acaba.

O anel é de ouro puro, para demonstrar a pureza do amor, é usado no dedo anular, e a explicação é que em tempos antigos acreditava-se que esse dedo tem uma veia ou nervo que tem uma ligação direta ao coração, quando se casam, o anel é usado na mão esquerda porque está mais perto do coração.


Após a bênção os noivos trocam os anéis, e na presença de testemunhas e de Deus, fundamentam como que pelo fogo, uma aliança entre eles por toda a vida, declarando naquele momento não serem mais duas vidas, do enlace do enamorar tornam-se apenas uma. Duas vidas para se tornar uma, mais forte, mais sábia, mais valente, porque o amor nos dá força para sonhar e acreditar. 

Colocadas no dedo anelar da mão esquerda, significa o casamento, ao qual será consumado pela noite de núpcias.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

O Material e o Espiritual

Tudo o que é feito no mundo material, ganha ação no mundo espiritual. Não há nada que seja feito nas condições terrenas que não reflita na vida espiritual da pessoa.

Quando a Bíblia diz em Gálatas que tudo aquilo que o homem plantar ele irá colher, não expressa um sentido apenas, não há opção material ou espiritual, tudo está ligado e não há como separar estas duas condições.

Diante deste pressuposto, o menor sofrimento do homem se dá diante da compreensão do sentido dos ensinamentos de Jesus, e não há paradoxo quanto a isso, seja no novo ou antigo testamento, pois tudo o que se fez foi efetuado através de Cristo.

Se determinada pessoa tem uma atitude em relação ao seu próximo ou a si mesma, seja ela qual for, isso se converterá em benção ou maldição no mundo espiritual segundo o livro de deuteronômio. Entenda, nossa vida, na perspectiva bíblica, é regida pelo mundo espiritual e não pelo material, o porquê de situações contrárias que trazem grande dissabor estão inseridas no contexto da atitude da matéria refletida no campo espiritual ainda que não imediatamente.

Como exemplo, narro a derrota do povo de Israel diante da pequena e fraca cidade de Ai, ou ainda a derrocada trajetória da família do rei Davi, assim como do fim trágico dos filhos de Samuel.

Portanto, tudo o que for fazer como atitude, reflita sobre o que deseja de retorno espiritual para sua vida, lembre-se que tudo está ligado, o tempo da resposta dependerá do plantio que tens feito. Plante tudo de melhor e aguarde que a colheita espiritual será abundante.  


E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

O Profeta e a Revelação

O termo “profeta” tem recebido nos dias atuais um atributo discordante do real sentido das escrituras e tem trazido não pouco dissabor as comunidades. Na sua etimologia trata-se de um porta voz, alguém que uma vez escolhido, recebe o dom de um relacionamento íntimo com Deus (YHWH), tornando-se anunciador da palavra que Ele desejou anunciar ao mundo.

Quando no ápice de sua revelação esta palavra se completou, a tarefa do profeta recebe um novo sentido. Entenda, quando Deus estava ainda anunciando o conteúdo da sua vontade para que estivesse registrado em palavras, ele se revelava ao seu escolhido ao qual anotava e transmitia ao povo, apenas lembrando, a Bíblia tem mais de quarenta autores (escolhidos). Hoje o papel do profeta continua o mesmo, anunciar a vontade de Deus expressa em sua palavra, que hoje está registrada num livro chamado Bíblia Sagrada. Quando alguém, uma vez tendo compreendido esta palavra, anuncia a sua interpretação ele faz o papel de profeta.


Difere-se da revelação, que se trata de um momento exclusivo e especial, onde segundo a sua soberania e majestade, Deus revela um fato ou acontecimento a um determinado servo, ao qual tem a missão e o fardo de anunciar na íntegra. Exige muita análise e cautela, pois jamais uma revelação virá sem pressuposto bíblico, é papel também do profeta analisar a revelação, pois esta jamais seguirá sem o background da santa palavra.

sábado, 5 de novembro de 2016

A Igreja e a Instituição



A igreja refere-se aquela pessoa que foi chamada para fazer parte do Reino de Deus, foi um escolhido de Cristo para estar com Ele em todos os momentos. A etimologia esclarece, a palavra grega para igreja, ekklesia é composta de dois radicais gregos: ek, que significa para fora, e klesia, que significa chamados. Portanto ao falar igreja, refiro-me a você que foi chamado por Cristo Jesus para uma vida fora dos padrões mundanos, por isso ao ser chamado é também santificado, quer dizer, separado para as coisas de Deus.

Difere-se com um abismo da Instituição, seja o nome que receba: comunidade, assembleia, congregação, igreja, etc. A instituição é um lugar com endereço fixo, e hora marcada para então “receber a igreja”. Jamais iremos à igreja, ao contrário, a igreja é que vai até a instituição, para ali, como grupo adorar a Deus.

Esse tipo de engano chamamos de “impropriedade teológica”, trata-se de uma inversão de valores e culturização de uma prática, seja ela incorreta, profana ou herege, mas, que traz consigo a tolerância de uma sociedade, refiro-me aqui a igreja verdadeira conforme já esclareci e repito, é toda pessoa que foi chamada para servir.

Igreja, significa pessoas que amam a Cristo e foram chamados por Ele, enquanto que instituição, refere-se a um prédio, um lugar organizado dentro dos padrões terrenos, para receber o que realmente importa, a igreja.

Portanto, o tamanho, o glamour, a imponência, a riqueza de uma instituição, são meramente terrenas e carnais. A relevância esta naquelas pessoas que são igreja, e que assim de fato agem. Soli deo Gloria.

O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens;

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

O Religioso e a Religião

O religioso pode viver sem a religião, a religião porém, não sobrevive sem o religioso.

O religioso é aquela pessoa que crê no sobrenatural, na existência de um ser superior, divino, que criou todas as coisas e tem tudo sob seu comando, por exemplo a crença em Deus, na Bíblia, em Jesus Cristo como Filho e Deus. Esta crença faz com que esta pessoa, passe por mudanças de comportamento, moral e tenha novas atitudes, que resultem em um ser humano melhor, com mais qualidade, não depende de um grupo, instituição ou seita para acreditar, crer e finalmente agir em prol de um objetivo interno maior, acontece de dentro para fora e normalmente é gradativo.

A religião, no entanto, trata-se de um desejo terreno, de juntar um grupo de pessoas para fundar um nome, com endereço e horários para exercício de uma determinada prática. Busca juntar os religiosos num mesmo lugar e dar a eles uma placa para que a defenda, ou buscar novos adeptos para seguir o regulamento interno. Então, criam CNPJ, diretoria, finanças e tudo aquilo que já é conhecido.

Caso não esteja ligado a nenhuma religião, mas creia que há um Deus que criou todas as coisas e te sustenta com sua Destra forte, fique tranquilo, você é um religioso e está acima de qualquer religião, pois exerce a crença sem o peso da condenação e é livre conforme a promessa de Cristo. Crer no Filho de Deus é o resultado da verdadeira obra do Pai: “Jesus respondeu, e disse-lhes:


A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou.
João 6:29

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

O Obreiro Aprovado

*II Tm 4.1 Conjuro-te diante de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos, pela sua vinda e pelo seu reino;
2 prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda longanimidade e ensino.
3 Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos,
4 e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas.
5 Tu, porém, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.

O Obreiro Aprovado é Chamado por Deus
*Gl 1.1 Paulo, apóstolo (não da parte dos homens, nem por intermédio de homem algum, mas sim por Jesus Cristo, e por Deus Pai, que o ressuscitou dentre os mortos),

O Obreiro Aprovado Segue Orientações de Deus
*Gl 1.15 Mas, quando aprouve a Deus, que desde o ventre de minha mãe me separou, e me chamou pela sua graça,
16 revelar seu Filho em mim, para que eu o pregasse entre os gentios, não consultei carne e sangue,
17 nem subi a Jerusalém para estar com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia, e voltei outra vez a Damasco.

O Obreiro Aprovado não se Cala Perante o “dono” da Igreja

*III Jo 9 Escrevi alguma coisa à igreja; mas Diótrefes, que gosta de ter entre eles a primazia, não nos recebe.
10 Pelo que, se eu aí for, trarei à memória as obras que ele faz, proferindo contra nós palavras maliciosas; e, não contente com isto, ele não somente deixa de receber os irmãos, mas aos que os querem receber ele proíbe de o fazerem e ainda os exclui da igreja.

O Obreiro Aprovado não Negocia o seu Ministério

*Gl 1. 8 Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema.
9 Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.
10 Pois busco eu agora o favor dos homens, ou o favor de Deus? ou procuro agradar aos homens? se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo.
11 Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens;
12 porque não o recebi de homem algum, nem me foi ensinado; mas o recebi por revelação de Jesus Cristo. 

O Obreiro Aprovado não se Deixa Levar
*I Tm 5. 22 A ninguém imponhas precipitadamente as mãos, nem participes dos pecados alheios; conserva-te a ti mesmo puro.

O Obreiro Aprovado Reconhece a Graça de Deus
*I Tm 1. 12 Dou graças àquele que me fortaleceu, a Cristo Jesus nosso Senhor, porque me julgou fiel, pondo-me no seu ministério,
13 ainda que outrora eu era blasfemador, perseguidor, e injuriador; mas alcancei misericórdia, porque o fiz por ignorância, na incredulidade;
14 e a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e o amor que há em Cristo Jesus.

O Obreiro Aprovado Acata o Mandado de Deus
*I Tm 1.1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, segundo o mandado de Deus, nosso Salvador, e de Cristo Jesus, esperança nossa.

O Obreiro Aprovado é Escolhido por Deus
*At 9. 15 Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome perante os gentios, e os reis, e os filhos de Israel;
*Rm 1.1 Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus,
*Mc 3. 13 Depois subiu ao monte, e chamou a si os que ele mesmo queria; e vieram a ele.
14 Então designou doze para que estivessem com ele, e os mandasse a pregar;

O Obreiro Aprovado Busca a Capacidade de Deus

*II Co 3. 4 E é por Cristo que temos tal confiança em Deus;
5 não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus,
6 o qual também nos capacitou para sermos ministros dum novo pacto, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica.

O Obreiro Aprovado é Ungido por Deus
*II Co 1. 21 Mas aquele que nos confirma convosco em Cristo, e nos ungiu, é Deus,

O Obreiro Aprovado é Obediente 
*Rm 1. 5 pelo qual recebemos a graça e o apostolado, por amor do seu nome, para a obediência da fé entre todos os gentios,
6 entre os quais sois também vós chamados para serdes de Jesus Cristo