sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

A Hermenêutica e as Notas de Rodapé

Hoje temos a nossa disposição várias versões da preciosa e sagrada palavra de Deus. O número é tão expressivo, que nos perdemos diante de tantas traduções diferentes e inovadoras, evidentemente, todas objetivando ajudar no esclarecimento dos termos e palavras obscuras. As Bíblias de estudo, são um sonho de consumo de muitas pessoas, principalmente dos seminaristas e obreiros da Igreja de Jesus. Que bom que hoje é assim, o agir do Espírito Santo na vida de muitos homens consagrados e piedosos, tornou possível este momento que vivemos. No entanto, gostaria de compartilhar com os amantes da hermenêutica um sério problema, trata-se da Bíblia de estudo, em qualquer versão ou tamanho, pois este tipo de Bíblia antagoniza a hermenêutica.
O princípio hermenêutico esclarece que somente a Bíblia explica a Bíblia, princípio este levado muito a sério por João Calvino, um dos principais reformadores. Não obstante, a Bíblia de estudo contém vários comentários do texto, são as chamadas notas de rodapé. É importante lembrar-mo-nos, que as notas de rodapé não são inspiradas, embora foram escritas por homens eruditos e sábios. Inspirado, somente o texto da palavra de Deus.
Nesta perspectiva, desejo alicerçar a hermenêutica do texto no texto, e não nas notas de rodapé. Para realizar uma boa hermenêutica, necessário será usar uma Bíblia texto, somente texto, nada de notas ou comentários. Somente você e a palavra de Deus, as notas de rodapé, são opiniões de outros estudiosos, onde não há garantia da legitimidade da suposta interpretação, por isso, faça a sua própria hermenêutica. Confie nas ferramentas da hermenêutica. Deixe a consulta da notas para última estância, quando você tiver esgotado todas as possibilidades: as regras, os fundamentos, os princípios hermenêuticos. Quando isso acontecer, e só depois, de uma olhadinha nas notas, porém, não tome partido delas, elas podem divergir entre si. Nunca esqueça, as notas de rodapé não são inspiradas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário