segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Maldição Hereditária, Uma Análise Hermenêutica

Deus propõe a respeito da Bíblia uma revelação progressiva Dele mesmo. Ele começa se revelando no Éden e aos poucos vai completando sua revelação, até chegar a Cristo que é o ápice da revelação de Deus. Além de Cristo não há revelação. Dentre as dificuldades de compreensão desta revelação progressiva, deparamo-nos com a controvertida “maldição hereditária”.
É comum nos dias atuais, a aplicação por diversas igrejas e crenças deste suposto método de libertação. O pensamento é que os pecados dos ancestrais estão sobre as futuras gerações e seria necessário, portanto, a quebra destas maldições hereditárias. O texto base para apologia deste pensamento encontra-se na Torá. Analisemos os textos abaixo e a luz da hermenêutica diacrônica vamos entender este assunto.

Êxodo 20:5-6 - (5 Não te encurvarás diante delas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. 6 e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos).

Êxodo 34:6-7 (6 Tendo o Senhor passado perante Moisés, proclamou: Jeová, Jeová, Deus misericordioso e compassivo, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade; 7 que usa de beneficência com milhares; que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado; que de maneira alguma terá por inocente o culpado; que visita a iniqüidade dos pais sobre os filhos e sobre os filhos dos filhos até a terceira e quarta geração).

Números 14:18 (18 O Senhor é tardio em irar-se, e grande em misericórdia; perdoa a iniqüidade e a transgressão; ao culpado não tem por inocente, mas visita a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e a quarta geração).

Deuteronômio 5:9-10 (9 não te encurvarás diante delas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam, 10 e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos).

Observe bem estes textos, em todos eles Deus declara que visita a iniquidade dos pais nos filhos. Em Ex. 20:5-6 e Dt. 5:9-10, Deus declara que esta maldição é para aqueles que o “odeiam”. Em Ex. 34:6-7 e Nm. 14:18, Deus declara a sua misericórdia e que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado. O nosso Deus não mudou, a misericórdia do Deus do NT é a mesma do AT. Havendo arrependimento no coração do homem, Deus libera o perdão, liberando o perdão, tudo esta cancelado... Na verdade, sempre foi assim.
Antes de continuarmos na progressão da revelação sobre este assunto, o que chamo de hermenêutica diacrônica, vamos refletir sobre duas questões inseridas nestes textos. A primeira é o fato do decreto de Deus estar diretamente e especificamente ligado na iniqüidade da idolatria. O segundo é a descrição precisa “daqueles que me odeiam”. Certamente o povo de Deus do tempo da Torá, não compreendeu estes adendos de Deus ao decreto e para resolver este problema de entendimento ele esclarece o assunto revelando a interpretação mais precisa como segue:

Dt. 24.16 Não se farão morrer os pais pelos filhos, nem os filhos pelos pais; cada qual morrerá pelo seu próprio pecado.

O livro de Deuteronômio não é apenas a repetição da Lei como muitos afirmam, este livro cuida de interpretar os quatro primeiros livros da Torá com mais exatidão, é o próprio Deus lançando luz na revelação. Por que Deus escreveria outro livro repetindo as mesmas coisas? Deuteronômio é o intérprete da Torá. O texto é claro, é direto, é esclarecedor, no entanto, o povo daquela época ainda não absorveu o entendimento da revelação que já progrediu. Tudo bem, Deus entende a estrutura frágil do homem e esclarece mais uma vez.

Jeremias 31:29-34 (29 Naqueles dias não dirão mais: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram. 30 Pelo contrário, cada um morrerá pela sua própria iniqüidade; de todo homem que comer uvas verdes, é que os dentes se embotarão. 31 Eis que os dias vêm, diz o Senhor, em que farei um pacto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá, 32 não conforme o pacto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para tirá-los da terra do Egito, esse meu pacto que eles invalidaram, apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor. 33 Mas este é o pacto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. 34 E não ensinarão mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior, diz o Senhor; pois lhes perdoarei a sua iniqüidade, e não me lembrarei mais dos seus pecados.

Como é possível observar Deus anuncia o renovo do seu decreto, Deus esclarece agora com detalhes completos a sua revelação da Lei, Ele termina dizendo: "não me lembrarei mais dos seus pecados". Ora, sem pecado, não há maldição. Será que podemos agora descansar do nosso estudo? Parece que não, o povo ainda encontrou uma dificuldade para entender, mas, o nosso Deus é muito paciente e bondoso e cheio de misericórdia, depois de um tempo, Ele esclarece mais uma vez.

Ezequiel 18:1-4 (1 De novo veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: 2 Que quereis vós dizer, citando na terra de Israel este provérbio: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram? 3 Vivo eu, diz e Senhor Deus, não se vos permite mais usar deste provérbio em Israel. 4 Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá).

O povo de Deus já havia criado um provérbio popular para esta situação bíblica, comparando o pecado dos pais a uvas verdes. Deus ordena que cesse imediatamente e para sempre este provérbio, nada mais justo, afinal, este provérbio não nasceu de Deus. Na revelação progressiva de Deus ao homem, Deus estabelece uma progressão na Lei, Ele esclarece sistemáticamente que somente o pecador morrerá, a maldição de pai para filho foi cancelada em toda e qualquer possibilidade. Bom, encerramos o assunto no AT e certamente o povo de Deus entendeu concorda? Vamos conferir se fato ocorre assim num episódio do NT.

João 9.1-2 (1 E passando Jesus, viu um homem cego de nascença. 2 Perguntaram-lhe os seus discípulos: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?).

Talvez, você esteja pensando: Não é possível que este povo depois de todos estes esclarecimentos bíblicos não tenham ainda entendido este assunto. Caro leitor, deixo-lhes uma pergunta: E hoje? Finalmente a criação entendeu a revelação do Criador? Tudo nos leva a crer que não. Infelizmente a falta de entendimento na revelação de Deus sobre este assunto ainda é grande, vamos esclarecer algumas situações.
O reflexo da conduta dos pais nos filhos é um dos equívocos compartilhado por muitos líderes religiosos. Os pais oferecem uma base de educação aos seus filhos, que em muitos casos, não seguem um padrão moral aceitável, e, os filhos convivendo com tal ensinamento, crescem na prática de certos conceitos, não obstante ensinados por seus pais, o que para eles torna-se totalmente normal. Em tais casos não há um problema de maldição hereditária, mas de sociabilização familiar, onde o proibido torna-se status. Basta que alguém conviva ao lado de pessoas que usem de torpeza, para que em pouco tempo esteja no mesmo mau hábito. A sociedade influencia o indivíduo e de certa forma o molda. A Bíblia já alerta: “Não vos enganeis, as más conversações corrompem os bons costumes." (1 Coríntios 15:33).
A confusão sobre os problemas genéticos também são enormes, muitas vezes o pai tem um problema e o filho geneticamente também o herda. Pronto, a conclusão do desfecho será: “Maldição hereditária”. Problemas genéticos não são maldições, a impropriedade teológica dos eisegéticos descolorem a hermenêutica, ferem a exegese e levam ao tropeço os pequeninos. Cristo levou sobre si as maldições, o homem com Cristo esta liberto e não há mais condenação sobre ele, as coisas antes de Cristo ficaram para trás, o tempo da ignorância foi perdoado, nada poderá separar o homem do amor de Deus, quando Deus age ninguém pode impedir, certamente maior é aquele que esta em nós e nele podemos tudo. Devemos estar preparados para dar razão da nossa fé, não baseados em fábulas de velhas caducas, mas na santa e bendita palavra de Deus.

13 comentários:

  1. Pastor Valtencir, obrigado pelo texto esclarecedor e sistemático sobre o tema "Maldição Hereditária". Peço licença para publicá-lo no Infosol. Colocarei o link para seu blog. Deus o abençoe ricamente!

    ResponderExcluir
  2. O PAVA está fazendo uma Newsletter só para blogueiros e dessa vez é sério.

    Para entrar na lista basta me enviar um e-mail com seu Nome, E-mail e Endereço de Blog e Data de Aniversário para:

    amigodopava@gmail.com

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  3. Na última frase do texto vc diz:"Devemos estar preparados para dar razão da nossa fé, não baseados em fábulas de velhas caducas, mas na santa e bendita palavra de Deus".

    O que vc quis dizer com "velhas caducas"?

    ResponderExcluir
  4. Prezado Eliciano,

    Quando o apóstolo Paulo usa este termo na 1ª carta à Timóteo 4:7, ele se refere aqueles membros antigos de igreja que matam e deixam morrer para que a sua própria verdade prevaleça (ainda que seja uma fábula). Paulo aconselha: "rejeita estas fábulas", viva em piedade, confie somente na palavra que foi revelada. Quando a doutrina não é bíblica, o fardo é pesado demais.

    Um grande abraço,

    ResponderExcluir
  5. Prezado Pastor Valtencir, bom dia.
    " A graça e paz do nosso Amado Senhor e Salvador Jesus abunde em sua vida."
    Parabéns pela relevante colocação sobre a Maldição Hereditária! Esta matéria deveria ser divulgada nas Igrejas, em Jornais Evangélicos e demais literaturas, pois, o que tenho visto em algumas Igrejas é que alguns líderes continuam falando do assunto de forma errada, trazendo um jugo pesado para aqueles novos convertidos.
    Jesus te abençõe! SHALOM ADONAI!!!!!!!
    SELMA C.BENEVIDES FELIZARDO- PIB/JOÃO PESSOA/PB.

    ResponderExcluir
  6. Seu texto com toda certeza vem mostrar que muitas das vezes seguimos doutrinas de homens, por exemplo na igreja que frequento fazem campanha de quebra de maldições; sinceramente nunca entendi muito bem, agora certamente estou esclarecida diante das escrituras sagradas, que Jesus levou sobre si todas as nossas maldições...

    ResponderExcluir
  7. eu passei na pele essa situação , desde que nasci minha vida era regida por deuteronomio 28 , a parte que fala das maldições , tudo em minha vida dava errado , e a palavra diz que criança não peca eu não tinha feito nada de errado e minha vida dava sempre tudo errado, ai passei a vida toda orando e buscando a Deus e só na minha idade adulta aos 30 anos se cumpriu em minha vida Isaias 12 : senhor ainda que te iraste contra mim , sua ira se retirou e tua misericordia agora me consola , vivi embaixo de maldição SIM , tudo bem que eu cometi meus pecados tambem no caminho , mas ja cheguei no mundo com minha vida toda amarrada , mas hoje estou liberto e sou prospero graças a Deus . eu senti na pele o que descreve o livro das lamentações no capitulo 3 , agora quem ja nasce embaixo da misericordia costuma falar muita bobeira , só quem pastou igual eu sei o que passei , mas amém ja passou e hoje estou feliz , se alguem quizer conversar comigo e estiver na mesma situação eu passo o prognostico e o diagnostico pra vc ser abençoado meu irmão em nome de Jesus vou ficar feliz em ajudar .

    ResponderExcluir
  8. Conheçamos e prossigamos em conhecer a Deus. Pois os nossos pensamentos e caminhos não são os do Senhor. O exemplo bíblico de como Deus visita o pecado dos pais nos filhos está na vida do rei Davi (2 Sm 12 e ss), Deus matou o filho de Davi com Bate-Seba (Para nós uma tragédia terrível. Para Deus apenas uma transferência da terra para o Paraíso, pois das crianças é o reino dos céus).(É o que o Senhor Jesus diz para a igreja em Tiatira (Ap 2.23).. Davi, que era o homem segundo o coração de Deus, mas muito carnal, foi disciplinado por que o Senhor o amava e não queria perdê-lo. Deus é amor, mas é também justiça! Não se trata do filho pagar pelos pecados do pai, mas trata-se de DISCIPLINA divina sobre os que o Senhor ama. Deus não faz isso de bom grado (Veja Lamentações 3.32,33). Vieram lágrimas aos meus olhos quando estudei sobre Davi e seus filhos. Deus é tremendo na Sua justiça, mas, também, tremendo nas Suas misericórdias. Deus amou Salomão, o primeiro filho de Bate-Seba, depois dela ter se casado com Davi (2 Sm 12.24). O Salmos 89 fala da aliança que Deus fez com Davi. Nos vs.28-33 deixa claro que os seus filhos foram salvos. Deus é fogo consumidor! Mas as suas misericórdias renovam-se cada manhã! Graças a Deus! (Pr. Wilson de Souza)

    ResponderExcluir
  9. Caro pastor, vou contar algumas experiências visando sanar algumas inquietações do meu coração. Convivo diariamente com pessoas que repetem na sua vida o mesmo erro dos pais ou avós. Conheço pessoas que morreram no alcoolismo e quando fui investigar o avô já tinha morrido no alcoolismo, o pai tinha morrido no alcoolismo e agora o filho e uma grande questão: cada geração morria mais nova. Tenho diversos exemplos de divórcios de filhos, 3 ou 4 irmãos todos divorciados, que os avós e os pais também haviam divorciado. Tenho vários exemplos de adultério na vida de casais cujos pais e avós também eram adúlteros. Tenho exemplo de criança (3 anos) que já apresentava sinais homossexuais, quando fui investigar tinha homossexualidade na família e depois que o pai orou quebrando laços sobre sua geração e a de seu filho a criança mudou drasticamente de comportamento. Enfim, são questão da experiência do dia a dia no ministério pastoral. Como também tenho dificuldades com a maldição hereditária, gostaria de saber sua opinião sobre essas experiências relatadas acima. Será que todos esses pecados relatados acima faz parte da fraqueza do ser humano que não consegue mudar? Será que as práticas relatadas são apenas reflexo advindos do meio em que essas pessoas foram formadas? E, no caso da criança, porque ela mudou drasticamente de comportamento depois da oração rejeitando a prática homossexual que existia na família? Deus abençoe sua vida e ministério.

    ResponderExcluir
  10. Prezado irmão, graça e paz,

    De fato todas estas coisas acontecem, na minha própria família tenho muitos casos semelhantes a estes (infelizmente). Este acontecimento se da devido a sociabilização, filhos que desde cedo recebem a criação ou o exemplo dos pais e/ou próximos, na maioria das vezes pela falta de conhecimento da Palavra.
    A oração, quando movida a fé da contraparte, pode quebrar o laço malicioso, libertando a pessoa de uma prisioneira convivência sociológica, que lhe foi imposta, não sendo de sua livre escolha. Pelo conhecimento da Palavra, e pela ação da oração, a liberdade de Cristo a alcança, sendo assim verdadeiramente liberta.

    No amor de Cristo,

    ResponderExcluir
  11. Pertinente sua posição, entretanto carece de uma análise mais acurada acerca de fatos que perpetuam. Como o dito acima. Como pode uma criança de 3 anos demonstrar perfil homossexual. Há sim muito do exemplo, entretanto não se pode esquecer que vivemos numa Terra amaldiçoada e que tem como príncipe o maligno.

    ResponderExcluir
  12. olá pastor, apreciei muito seu texto. Tenho muito interesse por esse assunto e inclusive iniciei recentemente uma pesquisa acadêmica a respeito disso. gostaria de saber se você pode me indicar algumas bibliografias!! abraço!

    ResponderExcluir