quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Os Filhos Devem Obedecer Aos Pais?

Na maravilhosa inconstância da adolescência, surgem os quase insuportáveis conflitos entre pais e filhos. O apogeu da discussão sempre culmina na frase que já se tornou um famoso jargão “A vida é minha”. Mas, será mesmo? Enquadrando a situação num pressuposto antropológico pode ser verdade. Se assumirmos como background a gênese do paradigma, a vida pertence aquele que a gerou, ou seja, Deus. Porém, o pressuposto que entedia os filhos, e privilegia os pais, é a autoridade patriarcal e/ou matriarcal, onde a exigibilidade concentra-se no fato em que os filhos sejam obedientes aos pais.
Apesar do dissabor que este fato insere na realidade dos filhos, da resistência que os mesmos têm demonstrado diante do assunto, e entendendo que a sociedade pode estar vivendo uma demagogia egocêntrica e arcaica, o fato é que a autoridade dos pais ainda é salutarmente modelar. Diante desta realidade perturbadora, a reflexão fica sobre o seguinte desacordo: “Os filhos devem obedecer aos pais até quando?” Faremos uma reflexão exegética hermenêutica, sobre o texto que esta na carta do apóstolo Paulo aos efésios capítulo seis verso um, e saberemos o que a santa palavra de Deus orienta aos pais e filhos sobre esta controvertida questão.

“Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo”.

O contexto do nosso texto e objetivo deste estudo, tem início no capítulo cinco verso vinte e dois e se estende até o capítulo seis verso nove. Não obstante ao contexto, devemos estar atentos ao nosso foco de estudo, apresentado no texto acima. O novo testamento foi escrito na língua grega, e este idioma tem a sua preciosidade quanto a gramática, uma vez que é bem específico, e não usa a mesma palavra para informar situações diferentes. Recentemente escrevi um artigo no blog falando sobre a importância da gramática na compreensão do texto, é por este caminho que o entendimento da interpretação deve se originar.
A palavra chave do texto acima é “filhos”, e a língua grega nos apresenta duas palavras distintas quando se refere a este termo. O primeiro termo é “Ulos” (filhos), este termo é usado para se referir aos filhos independentes. Na concepção grega, um filho independente é aquele que ultrapassou a maioridade e não exerce dependência alguma em relação aos pais. Alcançar a maioridade somente, não torna o filho independente, ele precisará usufruir de sustentabilidade própria e se desvincular totalmente dos pais em todos os aspectos. Este termo “Ulos”, não esta registrado no texto acima, porque um filho independente não deve obediência aos pais, e sim honra. O filho independente esta livre da obediência em todos os seus aspectos, porém, deverá honrar os pais conforme o mandamento do Senhor.
No afã de elucidar o texto acima, continuaremos com a exegese bíblica que apoiada pela hermenêutica, nos trará alumiação. A palavra grega para o texto acima á “Teknon” (filhos), termo usado para se referir aos filhos dependentes. No sentido vernáculo, um filho dependente é aquele que não atingiu a maioridade e não adquiriu sustentabilidade própria. Este filho é aquele que ainda depende dos pais para sobreviver em todos os aspectos. Ainda que tenha atingido a maioridade, ou mesmo casado e com filhos, se exerce a posição de um filho “teknon” (dependente), ele deverá continuar a obedecer a seus pais em tudo.
Quando abrimos o leque contextual e permitimos que a hermenêutica exerça o seu papel interpretativo do texto, fica notório que a intenção do hagiógrafo, foi lançar um ensinamento para toda a família, esclarecendo o papel da esposa, do esposo e dos filhos no relacionamento familiar. Orientando com precisão os filhos que almejam a liberdade completa dos pais, que precisarão primeiro, atingir a maioridade, trabalhar, exercer sustentabilidade própria e honrar os pais para que estejam enraizados nas Escrituras. Em qualquer situação do filho em relação aos pais, a Bíblia é firme em revelar, “Honra o teu pai e a tua mãe”.

5 comentários:

  1. Olá Pr.Valtecir.Gostei muito do artigo escrito acima e penso que se tais princípios forem praticados com temor pelo filho de Deus teremos
    muito mais saúde no "corpo" de Cristo, a Igreja.
    Honrar pai e mãe é o único mandamento com promessa, diz a Palavra de DEUS.

    ResponderExcluir
  2. Prezado Pr. Hilton,

    Concordo com o irmão. A observância e prática das Escrituras, nos elevará a uma vida saudável no Senhor.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  3. Devemos entender que os filhos "teknon" sejam obedientes aos pais no Senhor. Isto leva a uma obrigação aos pais que sejam cristianizados. Os jornais não se cansam de divulgar relatos de pais que se desentendem e maltratam os próprios filhos. Isto até as leis falhas dos homens reconhecem como mal e esses filhos inocentes são retirados dos pais irresponsáveis. Daí a importância dos estudos dos ensinamentos Dele para que as relações sejam harmoniosas e evoluídas. Por essa razão Cristo é nosso Mestre.

    ResponderExcluir
  4. oi gotei do artigo ai bjs

    ResponderExcluir
  5. Os filhos são reflexo dos pais se você educar ,os pais devem ensinar os filhos a comprimentarem principalmente os bizavós,pois se não mais tarde esquecerá dos pais também,você só colhe o que plantou a lei do retorno é aqui na terra.

    ResponderExcluir