sábado, 31 de outubro de 2009

Saudade dos Profetas

O estudo dos livros proféticos e sumariamente dos próprios profetas é extremamente inspirador. Dedicando um pouco de tempo ao estudo destes extraordinários homens de Deus, nos desperta um intrínseco sentimento de que eles são nossos amigos; é como se tivéssemos outrora vivido com eles e presenciado seus clamores. O entendimento hermenêutico destes homens leva-nos a conhecê-los e entender algumas de suas angústias, fraquezas, mas, principalmente seus pontos fortes. Não obstante, todos eles se sobressaiam sobre o quesito “falar a verdade de Deus”. Diante de reis, príncipes, autoridades ou qualquer outra nomenclatura ou título, não importava, a verdade de Deus era sempre anunciada. Que saudade!

Hoje, se você quiser se relacionar bem, projetar um futuro eclesiástico positivo, ou acadêmico, ou ministerial... Cuidado! Não imite os profetas, melhor pegar leve, não vá declarando a Bíblia e a Palavra de Deus assim, tão diretamente, melhor pegar leve, afinal, todos querem chegar a algum lugar. O uso da sabedoria atual, regra que devemos ser zelosos em falar e apresentar o texto bíblico, afinal tal pessoa ocupa tal cargo e devemos pensar no favorecimento que um dia ela poderá nos trazer. Ah! Que bom que os profetas não pensavam assim... Bons tempos... Que saudade.

Tenho saudade dos homens que se preocupavam em proclamar o desejo de Deus, e não pensavam no que aquilo resultaria. Tenho saudade do primeiro e do último profeta, enfim... Se foram... Em raros momentos presenciamos uma atitude profética, ainda que isolada, vá lá. Conversando com um colega de trabalho, acertávamos algumas situações desajustadas. Muito nervoso, ele revela-me quantos inimigos eu já tinha, alguns pensavam em me bater, e num desabafo emocional, dizia-me que não seria bom eu acumular mais um. Recomendava-me a reunir este pessoal e pegar leve, melhor tomar cuidado com as palavras, disse-me ele. Ao declarar-me que possuía tantos inimigos, lembrei-me dos profetas, olhei para ele sinceramente com amor, e esbocei um leve sorriso de canto. Ah! Que saudade dos profetas.

Um comentário:

  1. Pr Val,

    Sempre muito interessante suas colocações e pertinentes, às vezes, chegam a ser "engraçadas" como esta.
    Os profetas, homens de Deus: inspirados, ousados, obedientes. É de se admirar como nos esquecemos, juntamente, muitos pastores, que a Bíblia é a verdade e não podemos ficar tão melindrados e tão incomodados ao falarmos da Verdade, mas, principalmente de vivermos esta Verdade.
    Quando realmente vivemos Cristo, nadamos contra a maré. Não há possibilidade de ser diferente: ou nadamos contra, ou nos deixamos levar pela corrente das águas; ou fazemos diferença, ou tomamos a forma deste mundo (mesmo que sutil), e nesta caminhada juntamos alguns "inimigos": no trabalho, na vizinhança e até na família...faz parte, afinal, Jesus nos faz a seguinte pergunta: "Podem vocês beber o cálice que eu estou bebendo?"(Mc.10:38 NVI)
    Abraços, Fabiana

    ResponderExcluir