quarta-feira, 17 de novembro de 2010

A Armadura de Saul

Entre tantos personagens entusiastas da Bíblia, sem dúvida Davi é uma referência hermenêutica tremenda. É verdade que ele cometeu alguns erros, e para o bem da hermenêutica dou graças a Deus. Os erros de Davi aliviam nossa condição pecaminosa, pois nos nivela como seres criados para acertar, mas que na derrocada do desejo humano falha, e, portanto, proibidos estamos de julgar, não obstante, maior peso carregará o rebelde.

Davi teve a impetuosidade de dizer não, num momento onde sua atitude, aparentemente insana o deixava ainda em maior desvantagem. Veja, ele iria desafiar o grande gigante Golias, o maior guerreiro dos filisteus, povo sanguinário e cruel. Para aliviar o seu destino, a morte, digo na perspectiva israelita, Saul ofereceu a sua própria armadura ao jovem e insano pastorzinho de ovelhas, refiro-me a animais.

Inescrupulosamente, exercendo de uma antiética tremenda, desobedecendo a ordem do rei, que absurdo, afrontando os bons costumes, e contrariando todas as tradições do momento, Davi recusa a armadura do rei, e pior, veja que menino mal educado e rebelde, disse que não estava acostumado àquilo. Como alguém que é recém chegado a um lugar, sem a experiência dos antigos e sábios, que por gerações praticam com zelo as mais perfeitas tradições, que estão habituados a reunir o conselho e reger as assembléias deliberativas, pode contrariar anos de experiência? (... pausa...).

Permita-me sorrir enquanto escrevo esta resposta: O compromisso de Davi estava na sua fidelidade e confiança em Deus. Davi tinha em seu coração a certeza de que Deus era com ele e pronto. Tradições e estratégias não faziam parte dos planos, porque não havia planos, Davi queria apenas agradar a Deus e inclinar o seu coração diante da Sua Soberana vontade.

Se você deseja ser um hermeneuta com o coração inclinado à Deus, aprenda com Davi, e lance fora esta armadura que estão colocando sobre você. Note bem, você já não possui a leveza de antes, o peso da armadura é terrível, e não pertence a Deus. Liberte-se, de um grito de independência, se olhe no espelho, enxergue Deus através da luz dos seus olhos, pois ele habita em você, e jogue fora esta armadura humana e pecaminosa. Apresente-se diante de Deus como ele te chamou, talvez, apenas com uma funda, um cajado, quem sabe é você.

Pense comigo, se a armadura de Saul era tão boa, porque ele mesmo não lutou contra Golias? Sim, é uma pergunta retórica, deixo um trecho para sua reflexão: ... “E Davi tirou aquilo de sobre si”...

Se existe uma armadura para uso, a carta aos efésios a revela. Prefiro, no entanto, sugerir “um coração quebrantado e um espírito reto”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário