domingo, 28 de novembro de 2010

Coração

Todo texto deve reverência a hermenêutica, não obstante, alguns textos são como que gerais, se enquadram nas mais adversas situações, e não se transformam em eisegese por esta utilidade, na verdade, os considero universais. Nem todo texto é empírico, penso que muitos não o são, neste caso o encaixe fica na história de vida de cada homem, refiro-me aqui ao gênero humano.

O profeta Jeremias fez no seu livro, uma das menções mais significativas sobre o coração de toda a Bíblia: “enganoso é o coração, mais do que todas as coisas”. De fato, desde Adão notamos como o coração do homem se engana, e como conseqüência tem ocasionado o sofrimento.

Seguir o coração significa se entregar àquilo que se acredita no momento, independentemente de ser possível, real ou normal, enfim, como diria o poeta: “o coração te da asas”. Infelizmente o maravilhoso sentimento proporcionado pelo coração não é profícuo, não garante segurança, e por muitas e variadas situações, não é correspondido.

Permita-me compartilhar o meu pensamento: “prefiro a razão”. Puxa! Essa sim liga os pontos onde devem ser conectados, analisa todos os fatos, e diante duma realidade empírica autoriza ou recusa o desejo ou intenção. O sofrimento praticamente não existe, é lógica pura, e na matemática tudo se encaixa, já no coração é outra coisa, é coisa poética.

Veja, o desejo do coração é tão corrupto em relação à razão, que ele mente descaradamente. Ele, o coração, tenta fazer o homem acreditar nos maiores absurdos, e sorrateiramente insiste e convence a acreditar, ocasiona uma falsa felicidade, vive preparando engodos, melhor seria ignorá-lo, mas isso é outra coisa.

O profeta ressalva: “quem o conhecerá?” Embora a pergunta seja retórica, ele responde que o Senhor esquadrinha os corações... Amém! Quanto a mim, se pudesse, preferiria somente a razão, creio que sejam antagônicos, porque o coração fica a enganar o homem constantemente. Por que sentimentos puros e verdadeiros que brotam de situações tão sinceras são tão facilmente derrotados pela razão? Porque o coração é mau.

Explicações filosóficas e poéticas a parte, jamais entenderei o plano de Deus para esta combinação. Por que o Eterno confeccionou dois inimigos tão poderosos dentro do mesmo templo? Diante deste axioma, a idade perde a relevância, com vinte ou quarenta, a situação é a mesma. O coração nunca amadurece, e a razão por mais fortalecida que esteja, inclina-se sempre aos imaturos desejos do centro da vontade do homem.

O coração proporciona sentimentos indescritíveis, acompanhado de sofrimentos horríveis. A razão impede que o sofrimento chegue, porque já alerta os dissabores, mas, infelizmente para o homem, os desejos do coração antecedem a razão. Preferia-me, ficar somente com a razão, mas, quis Deus diferente. Perco-me nesta hermenêutica, creio que não seja possível realizá-la... Que Deus nos ajude!

Um comentário:

  1. E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.(Jeremias 29:13)

    ResponderExcluir