sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Se Amássemos

Poderíamos ser mais amados, se amássemos mais. Imagine como seria viver de forma empírica a narrativa da primeira epístola aos coríntios capítulo treze. O tema é o amor, os tópicos diversos, a essência do texto não trata de uma poesia, deveras são as poesias tratadas como um romance que não pode ser vivido. A boniteza do texto é a veracidade do conjunto das palavras, que somada a um contexto intuitivo, esclarece as mais diversas e tenras facetas do verdadeiro amor.
Por que não é possível viver aquilo que mais desejamos da vida? O amor. Certa vez o poeta disse que o amor nos faz acreditar e nos da força pra lutar. A mente humana discorre um filme de perfeito amor em sua mente, quando retorna do seu devaneio, encontra barreiras para colocar em prática o que mais gostaria. O amor. Por que somos impedidos de falar o que gostaríamos que as pessoas ouvissem de nós? Qual foi o cruel momento, em que anunciar o amor, se tornou um fardo tão pesado para a humanidade?
A sinceridade passou a se submeter à critérios estabelecidos pela sociedade. Didaticamente fica não muito difícil entender Platão quando discorreu sobre o mundo das idéias, e sorrateiramente plausível, admirar o carisma Aristotélico ao discordar diante do mestre. A resposta esta no real, afirmou. Um dedo apontando para o sublime e perfeito platonismo, o outro, nos esperançando que a possibilidade do perfeito esta ao alcance dos corações que buscam sinceridade.
O texto aos coríntios fala da impossibilidade de viver sem a presença do amor, e que tudo se torna vazio quando este sentimento não é compartilhado em tudo o que fazemos. Categoricamente, sem o amor somos a pior de todas as criaturas já formada pelo Criador. Considero este trecho da Bíblia um dos mais duros, em relação ao ensinamento e doutrina. Perpetuar nos corações sentimentos contraditórios a natureza primeira do homem, refiro-me a condição adâmica antes da queda, é tarefa hoje para os considerados fortes. Mas, verdadeiramente fortes são aqueles que meio a todas as influências contemporâneas, ainda são capazes de amar. É preciso ser forte para amar, mas não com olhos de Capitu.
Se o amor é sofredor, é benigno, se o amor não é invejoso, não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal, não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade, se o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta, se com apreço o amor jamais acaba, então, o que aconteceu conosco. Se de fato somos responsáveis por aquilo que cativamos, segundo a famosa literatura de “O pequeno príncipe”, por que o amor sem barreiras é tão difícil de acontecer.

Se sofro, então concluo que amo. Se amo, significa que meu intelecto esta ativo no contexto das Escrituras. Se penso, logo existo, palavras emprestadas de Descartes. Poderíamos estar mais felizes, vivendo melhor, curtindo mais cada parte do dia, cada situação, cada familiar, cada amigo ou colega. Se o amor jamais acaba, por que temos amado tão pouco e se ele não arde em ciúmes, por que tantas brigas infundadas? Ao estabelecer parâmetros, parafraseando, o texto finda afirmando que o maior de todos os sentimentos ou dons é o amor. Então, resta-nos exclamar: Que Deus nos ajude!

Um comentário:

  1. Bonito artigo...já agora, eu sei que não tem nada a ver, mas eu ando a fazer um movimento de alerta para todas as mulheres sobre este assunto http://bit.ly/bUm0XN

    ResponderExcluir