domingo, 26 de fevereiro de 2012

O Vínculo da Perfeição


Sinceramente, não poderei falar sobre este tema porque é muito alto para alguém tão pequeno como eu. Certamente qualquer conceito que discorra sobre este assunto será hipócrita ou enganoso, sim, o motivo é que somente aquele que é amor pôde com propriedade falar do assunto, e não somos amor, o que temos é uma porção do amor, que foi colocado em cada um de nós e o temos alimentado ou não.

Então, como o amor é um assunto muito falado por tudo e todos em qualquer tipo de situação, irei convidar-lhes para um acompanhamento hermenêutico de um trecho do texto bíblico mais conhecido sobre este assunto, trata-se da primeira carta aos coríntios capítulo treze. Convido-lhes a uma introspecção, uma imersão no texto Sagrado. 

Ainda que...
1Co 13.1 Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.

1Co 13.2 E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.

1Co 13.3 E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

O que é e o que não é o amor...
1Co 13.4 O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece,

1Co 13.5 não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal;

1Co 13.6 não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;

1Co 13.7 tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.


"E, sobre tudo isto, revestí-vos do amor, que é o vínculo da perfeição".

Matando a Alegria


Tem aqueles dias que você esta realmente bem, iluminado e feliz. Começa o dia sabendo que tem muitos problemas a resolver e sabe que não será fácil, mas, naquele dia o fardo parece estar mais leve, suave. Sim, são aqueles momentos de felicidade que aparecem do nada e preenchem todo o nosso ser... É simplesmente maravilhoso e inexplicável, creio que seja um dom de Deus.

Estamos rodeados de circunstâncias difíceis, e se você em algum momento pensou em abandonar tudo e se entregar ao fracasso, não se desespere, a sua situação é a mesma de quase todos, afinal, não somos felizes apenas estamos. Não obstante, encontramos nos personagens bíblicos situações semelhantes como, por exemplo, Jó, que amaldiçoa o dia do seu nascimento, ou Jeremias que se lamenta pelos acontecimentos contrários, Elias que pede para morrer ou até mesmo João Batista que fraqueja sobre a verdade de Cristo.

O problema é que nestes momentos que você inexplicavelmente esta bem, muito bem, aparecem os abutres da fé para matar sua alegria, veja, não me refiro aos inimigos que tem se levantado contra sua vida, estes na verdade são os maiores motivadores, pois sem saber, nos dão forças para continuar a viver e provar que podemos fazer a diferença, mas, refiro-me a maior de todas as dores, trata-se do ataque daqueles que estão próximos, os que convivem conosco há anos, e incansavelmente nos colocam em xeque. Parentes, família, amigos, enfim... Aqueles que deveriam estar te dando força, mas estão sempre duvidando e com olhares e palavras almadiçoadoras matam sua alegria, por motivos nada explicáveis, é como se fosse o combustível destes zumbis. Geralmente são pessoas amargas, não querem estar com amigos, não tem prazer em dividir nada, preferem o casulo e se escondem atrás de suas frustrações e fracassos. 

Mas além da questão moral e do caráter que nos foi impresso pelo Criador, temos a graça e a misericórdia de Deus para nos ajudar nestes momentos, pois ser acusado do erro que é fato vá lá, mais quando puros... Nosso refúgio é a Santa e Bendita Palavra de Deus, porque somente ela traz a verdade. Parafraseando a canção de Martinho Lutero “castelo forte é o nosso Deus”.

Se o desejo é deixar tudo e recomeçar diferente, não se desespere e nem condene quem tem a dignidade e a coragem de abandonar o motivo que a faz sofrer. Seja forte para amar o possível, e, se houver possibilidade liberte-se.  Esteja o mais feliz possível, encontre-se e evite o desperdício com pessoas que não valem a pena, é o conselho de João na sua segunda carta.

Nossos dias de felicidade estão diminuindo, pois o mundo esta em derrocada, o que segundo Mateus capítulo 24 já nos foi anunciado, a maior surpresa  é que o amor que esta se esfriando de quase todos os corações, incluem os religiosos, as pessoas que aparentam bondade estão ficando amarguradas e más, sentem prazer em humilhar, magoar e torturar a tudo e a todos, não se importam com a palavra lançada ou com as acusações infundadas. São infelizes querendo espalhar infelicidade, semelhantes a Lúcifer, desejam para outros a mesma sina que vivem, intrinsicadas em raiz de amargura. São perdedores incomodados com pequenas conquistas alheias, e o fato de não amarem, fazem com que se incomodem com qualquer manifestação de amor e carinho que você possa receber, justamente pecam na sua maior falta. Não têm a capacidade de amar e não entendem o que isso significa, mais isso é outra coisa.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

O Templo

“Assim diz o Senhor: O céu é o meu trono, e a terra o escabelo dos meus pés. Que casa me edificaríeis vós? e que lugar seria o do meu descanso?” (Isaías 66:1)

Num momento político e financeiro favorável, o rei Davi resolve construir uma nova casa para si, o que resultou em uma grande e onerosa obra para o povo de Israel. Após pronta, olhando para o tabernáculo de Deus, entende na sua terrena visão, que Deus, o Poderoso de Israel, o Altíssimo e Onipotente Adonai, O Senhor dos exércitos, precisava também de uma casa a altura de Sua Santidade Majestática, e dilata de maneira inóspita o desejo de construir uma morada mais digna ao Senhor. 

Deus é claro, informa Davi que seria inviável, uma vez que suas mãos denunciavam sangue, mas, pela sua infinita compassividade, encontrando algo de bom no pedido de Davi, permite que seu filho Salomão realize este sonho (não obstante, não fora o Senhor que pediu uma casa a Davi), embora ao terminá-la ele mesmo entendeu, quando ainda na sua ignorância, digo sabedoria: “Mas, na verdade, habitaria Deus na terra? Eis que o céu, e até o céu dos céus, não te podem conter; quanto menos esta casa que edifiquei!” (IRs. 8:27). 

Entrementes no templo, a idéia foge dos pressupostos de Davi para a construção, o povo obstinado e maravilhado com a grandiosidade da obra, passou a adorar o templo e se encurvar diante de rituais e comércios nele estabelecidos, dando assim pouca importância à adoração ao Soberano e Eterno Deus (a Ele toda glória). Indubitávelmente, Deus despreza os cultos abomináveis, cultos que não cultuam ao Criador de toda obra, cultos ritualistas, vazios e miseráveis que emanam fogo estranho. Então, o Senhor movimenta o rumo da história, Ele interfere no curso e destrói o templo, mas o povo apegado ao impressionismo de tal construção não entendeu a mensagem do Altíssimo, eles aguardavam cegamente e ansiosamente a reconstrução do templo, porque entendiam que Deus habitava naquele templo de pedras, e como que na caverna, intrinsicavam o Deus territorial, ao qual o Senhor pelo seu poder, interveio nos momentos da história e destruiu-o novamente. 

Estou plenamente certo, que se no decorrer da história contemporânea algum personagem reedificasse o templo de Jerusalém, o mesmo seria novamente destruído pelas mãos de Deus, leia a Bíblia atentamente e busque entendimento. Deus não esta, e não habita em templos feitos com pedras e massa. Não há nenhum poder espiritual nestas construções, Deus não faz nelas morada.

Então fico observando estes grandes templos no mundo todo construídos e levantados por homens, obras gigantes e impressionantes, calcunhados com o chavão “foi vontade de Deus”. Falácia! A hermenêutica pelos preceitos bíblicos aos quais a Bíblia explica a própria Bíblia invoca a verdade, ao qual contra ela nada se pode fazer,  Deus já deixou claro que não deseja nenhum templo feito por mãos humanas, estes templos são resultado da própria ganância e cobiça de pastores e líderes soberbos, que materializam seu sonho pessoal na tentativa de servirem como referência para outros homens e conquistarem melhores posições e soldos, hipócritas... “Bem profetizou Isaías a respeito de vós, este povo me adora com os lábios, mas me nega com o coração”. Aproveitam-se da generosidade, simplicidade e ingenuidade de um povo que busca ao verdadeiro Deus e os oprimem, arrancam seus carros, suas moradias, suas jóias e atribuem como desejo de Deus para construir e reformar obras intermináveis, enquanto o povo padece de sede e fome. Sim, são verdadeiros carniceiros, estúpidos, verdadeiramente podres, são servos de Mamom e antagonizam as Sagradas Escrituras e os heróis da fé, terão o seu lugar no lago de fogo que fumega. Enganam aos pequenos na fé, e os usam como mão de obra escrava (daí a teoria da mais valia).

O templo que Deus habitará, à casa que Ele busca são um coração quebrantado e uma alma contrita. Louve a Deus no seu santo templo, quer dizer dentro da sua alma e coração, com toda a sua força, entendimento, louve ao Senhor com o que tem de melhor a oferecer e acredite não são suas riquezas, tão pouco o serviço escravo. “Sacrifício aceitável a Deus é o espírito quebrantado; ao coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus. Deixe Cristo te libertar e seja verdadeiramente livre, lance fora a armadura de Saul. Soli Deo Gloria!