sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Aliança

O uso do anel de ouro representa uma aliança, um compromisso assumido com a pessoa que se ama.
Significa uma relação de proximidade e intimidade, de união por toda a vida. Fazer uma aliança com alguém corresponde a uma entrega sem reservas, expressa o desejo de uma declaração pública do encontro de uma alma que nos completa e nos alicerça e é cândida. Torna-se a lembrança do pacto entre um homem e uma mulher.

O anel de aliança tem um formato circular, o que é um simbolismo de eternidade, porque o círculo não tem princípio nem fim. Sem princípio porque alguns só precisavam se encontrar, o amor já estava escrito e o fim não será possível, porque o verdadeiro amor nunca acaba.

O anel é de ouro puro, para demonstrar a pureza do amor, é usado no dedo anular, e a explicação é que em tempos antigos acreditava-se que esse dedo tem uma veia ou nervo que tem uma ligação direta ao coração, quando se casam, o anel é usado na mão esquerda porque está mais perto do coração.


Após a bênção os noivos trocam os anéis, e na presença de testemunhas e de Deus, fundamentam como que pelo fogo, uma aliança entre eles por toda a vida, declarando naquele momento não serem mais duas vidas, do enlace do enamorar tornam-se apenas uma. Duas vidas para se tornar uma, mais forte, mais sábia, mais valente, porque o amor nos dá força para sonhar e acreditar. 

Colocadas no dedo anelar da mão esquerda, significa o casamento, ao qual será consumado pela noite de núpcias.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

O Material e o Espiritual

Tudo o que é feito no mundo material, ganha ação no mundo espiritual. Não há nada que seja feito nas condições terrenas que não reflita na vida espiritual da pessoa.

Quando a Bíblia diz em Gálatas que tudo aquilo que o homem plantar ele irá colher, não expressa um sentido apenas, não há opção material ou espiritual, tudo está ligado e não há como separar estas duas condições.

Diante deste pressuposto, o menor sofrimento do homem se dá diante da compreensão do sentido dos ensinamentos de Jesus, e não há paradoxo quanto a isso, seja no novo ou antigo testamento, pois tudo o que se fez foi efetuado através de Cristo.

Se determinada pessoa tem uma atitude em relação ao seu próximo ou a si mesma, seja ela qual for, isso se converterá em benção ou maldição no mundo espiritual segundo o livro de deuteronômio. Entenda, nossa vida, na perspectiva bíblica, é regida pelo mundo espiritual e não pelo material, o porquê de situações contrárias que trazem grande dissabor estão inseridas no contexto da atitude da matéria refletida no campo espiritual ainda que não imediatamente.

Como exemplo, narro a derrota do povo de Israel diante da pequena e fraca cidade de Ai, ou ainda a derrocada trajetória da família do rei Davi, assim como do fim trágico dos filhos de Samuel.

Portanto, tudo o que for fazer como atitude, reflita sobre o que deseja de retorno espiritual para sua vida, lembre-se que tudo está ligado, o tempo da resposta dependerá do plantio que tens feito. Plante tudo de melhor e aguarde que a colheita espiritual será abundante.  


E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

O Profeta e a Revelação

O termo “profeta” tem recebido nos dias atuais um atributo discordante do real sentido das escrituras e tem trazido não pouco dissabor as comunidades. Na sua etimologia trata-se de um porta voz, alguém que uma vez escolhido, recebe o dom de um relacionamento íntimo com Deus (YHWH), tornando-se anunciador da palavra que Ele desejou anunciar ao mundo.

Quando no ápice de sua revelação esta palavra se completou, a tarefa do profeta recebe um novo sentido. Entenda, quando Deus estava ainda anunciando o conteúdo da sua vontade para que estivesse registrado em palavras, ele se revelava ao seu escolhido ao qual anotava e transmitia ao povo, apenas lembrando, a Bíblia tem mais de quarenta autores (escolhidos). Hoje o papel do profeta continua o mesmo, anunciar a vontade de Deus expressa em sua palavra, que hoje está registrada num livro chamado Bíblia Sagrada. Quando alguém, uma vez tendo compreendido esta palavra, anuncia a sua interpretação ele faz o papel de profeta.


Difere-se da revelação, que se trata de um momento exclusivo e especial, onde segundo a sua soberania e majestade, Deus revela um fato ou acontecimento a um determinado servo, ao qual tem a missão e o fardo de anunciar na íntegra. Exige muita análise e cautela, pois jamais uma revelação virá sem pressuposto bíblico, é papel também do profeta analisar a revelação, pois esta jamais seguirá sem o background da santa palavra.

sábado, 5 de novembro de 2016

A Igreja e a Instituição



A igreja refere-se aquela pessoa que foi chamada para fazer parte do Reino de Deus, foi um escolhido de Cristo para estar com Ele em todos os momentos. A etimologia esclarece, a palavra grega para igreja, ekklesia é composta de dois radicais gregos: ek, que significa para fora, e klesia, que significa chamados. Portanto ao falar igreja, refiro-me a você que foi chamado por Cristo Jesus para uma vida fora dos padrões mundanos, por isso ao ser chamado é também santificado, quer dizer, separado para as coisas de Deus.

Difere-se com um abismo da Instituição, seja o nome que receba: comunidade, assembleia, congregação, igreja, etc. A instituição é um lugar com endereço fixo, e hora marcada para então “receber a igreja”. Jamais iremos à igreja, ao contrário, a igreja é que vai até a instituição, para ali, como grupo adorar a Deus.

Esse tipo de engano chamamos de “impropriedade teológica”, trata-se de uma inversão de valores e culturização de uma prática, seja ela incorreta, profana ou herege, mas, que traz consigo a tolerância de uma sociedade, refiro-me aqui a igreja verdadeira conforme já esclareci e repito, é toda pessoa que foi chamada para servir.

Igreja, significa pessoas que amam a Cristo e foram chamados por Ele, enquanto que instituição, refere-se a um prédio, um lugar organizado dentro dos padrões terrenos, para receber o que realmente importa, a igreja.

Portanto, o tamanho, o glamour, a imponência, a riqueza de uma instituição, são meramente terrenas e carnais. A relevância esta naquelas pessoas que são igreja, e que assim de fato agem. Soli deo Gloria.

O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens;

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

O Religioso e a Religião

O religioso pode viver sem a religião, a religião porém, não sobrevive sem o religioso.

O religioso é aquela pessoa que crê no sobrenatural, na existência de um ser superior, divino, que criou todas as coisas e tem tudo sob seu comando, por exemplo a crença em Deus, na Bíblia, em Jesus Cristo como Filho e Deus. Esta crença faz com que esta pessoa, passe por mudanças de comportamento, moral e tenha novas atitudes, que resultem em um ser humano melhor, com mais qualidade, não depende de um grupo, instituição ou seita para acreditar, crer e finalmente agir em prol de um objetivo interno maior, acontece de dentro para fora e normalmente é gradativo.

A religião, no entanto, trata-se de um desejo terreno, de juntar um grupo de pessoas para fundar um nome, com endereço e horários para exercício de uma determinada prática. Busca juntar os religiosos num mesmo lugar e dar a eles uma placa para que a defenda, ou buscar novos adeptos para seguir o regulamento interno. Então, criam CNPJ, diretoria, finanças e tudo aquilo que já é conhecido.

Caso não esteja ligado a nenhuma religião, mas creia que há um Deus que criou todas as coisas e te sustenta com sua Destra forte, fique tranquilo, você é um religioso e está acima de qualquer religião, pois exerce a crença sem o peso da condenação e é livre conforme a promessa de Cristo. Crer no Filho de Deus é o resultado da verdadeira obra do Pai: “Jesus respondeu, e disse-lhes:


A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou.
João 6:29

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

O Obreiro Aprovado

*II Tm 4.1 Conjuro-te diante de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos, pela sua vinda e pelo seu reino;
2 prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda longanimidade e ensino.
3 Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos,
4 e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas.
5 Tu, porém, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.

O Obreiro Aprovado é Chamado por Deus
*Gl 1.1 Paulo, apóstolo (não da parte dos homens, nem por intermédio de homem algum, mas sim por Jesus Cristo, e por Deus Pai, que o ressuscitou dentre os mortos),

O Obreiro Aprovado Segue Orientações de Deus
*Gl 1.15 Mas, quando aprouve a Deus, que desde o ventre de minha mãe me separou, e me chamou pela sua graça,
16 revelar seu Filho em mim, para que eu o pregasse entre os gentios, não consultei carne e sangue,
17 nem subi a Jerusalém para estar com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia, e voltei outra vez a Damasco.

O Obreiro Aprovado não se Cala Perante o “dono” da Igreja

*III Jo 9 Escrevi alguma coisa à igreja; mas Diótrefes, que gosta de ter entre eles a primazia, não nos recebe.
10 Pelo que, se eu aí for, trarei à memória as obras que ele faz, proferindo contra nós palavras maliciosas; e, não contente com isto, ele não somente deixa de receber os irmãos, mas aos que os querem receber ele proíbe de o fazerem e ainda os exclui da igreja.

O Obreiro Aprovado não Negocia o seu Ministério

*Gl 1. 8 Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema.
9 Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.
10 Pois busco eu agora o favor dos homens, ou o favor de Deus? ou procuro agradar aos homens? se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo.
11 Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens;
12 porque não o recebi de homem algum, nem me foi ensinado; mas o recebi por revelação de Jesus Cristo. 

O Obreiro Aprovado não se Deixa Levar
*I Tm 5. 22 A ninguém imponhas precipitadamente as mãos, nem participes dos pecados alheios; conserva-te a ti mesmo puro.

O Obreiro Aprovado Reconhece a Graça de Deus
*I Tm 1. 12 Dou graças àquele que me fortaleceu, a Cristo Jesus nosso Senhor, porque me julgou fiel, pondo-me no seu ministério,
13 ainda que outrora eu era blasfemador, perseguidor, e injuriador; mas alcancei misericórdia, porque o fiz por ignorância, na incredulidade;
14 e a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e o amor que há em Cristo Jesus.

O Obreiro Aprovado Acata o Mandado de Deus
*I Tm 1.1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, segundo o mandado de Deus, nosso Salvador, e de Cristo Jesus, esperança nossa.

O Obreiro Aprovado é Escolhido por Deus
*At 9. 15 Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome perante os gentios, e os reis, e os filhos de Israel;
*Rm 1.1 Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus,
*Mc 3. 13 Depois subiu ao monte, e chamou a si os que ele mesmo queria; e vieram a ele.
14 Então designou doze para que estivessem com ele, e os mandasse a pregar;

O Obreiro Aprovado Busca a Capacidade de Deus

*II Co 3. 4 E é por Cristo que temos tal confiança em Deus;
5 não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus,
6 o qual também nos capacitou para sermos ministros dum novo pacto, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica.

O Obreiro Aprovado é Ungido por Deus
*II Co 1. 21 Mas aquele que nos confirma convosco em Cristo, e nos ungiu, é Deus,

O Obreiro Aprovado é Obediente 
*Rm 1. 5 pelo qual recebemos a graça e o apostolado, por amor do seu nome, para a obediência da fé entre todos os gentios,
6 entre os quais sois também vós chamados para serdes de Jesus Cristo

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Dependente

Na carta aos efésios capítulo seis e versículo primeiro, encontramos uma admoestação do apóstolo Paulo aos filhos, orientando-os obedecer aos pais. Muitos filhos poderão perguntar, obedecer até quando?

A palavra grega para filhos neste texto é “τεκνα”, que significa “filhos dependentes”, interpretado como crianças. Significa que não importa sua idade, seu estado civil, se mora sozinho, ou qualquer outra argumentação que gera uma pseuda expectativa de independência, se você depende de alguma maneira dos seus pais (moradia, faculdade, mesada, carro, mercado, contas, etc.), você é dependente, como uma criança, e deve a eles obediência.

A você que é um filho independente, não precisa receber qualquer tipo de ajuda de seus pais, talvez ao contrário, agora é você quem os sustenta, observe o versículo dois e deleite-se sobre ele: “Honra teu pai e tua mãe”.

É mister entender isso que é natural, para evoluirmos para o sobrenatural, somos filhos dependentes de Deus, por isso precisamos obedecer nosso Pai celestial. Há vários motivos para obedecer ao Pai, penso que o principal seja para estarmos em maior comunhão com Ele, em santidade constante e diária, reconhecendo nossa pequenez diante do grande “Eu Sou”.


Para ser um herói da fé, não é preciso delirar sobre hebreus onze, porque todos eles tiveram o entendimento de que para estar bem com o Senhor é necessária uma coisa somente, obedecer. Obedecer sempre.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

A Benção do Casamento

Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne. Gn. 2:24

O passo para o casamento é a complementação de um projeto de vida, instaurado por Deus. Trata-se do amadurecimento da vontade da alma, em compartilhar todos os momentos da vida com o outro sexo. Envolve uma sequência de situações, mas, principalmente, é uma decisão que deve partir de um princípio maior, fundamentado no desejo de se tornar uma pessoa, sendo duas.

Considero como fundamental para o casamento, estar bem entendido entre os dois sexos, que a mente de ambos deve compreender que tudo, a partir deste ponto, deverá ser decidido pensando no outro, e isso para vida toda. 

A cabeça de uma pessoa que toma a decisão de unir-se em matrimônio, já com antecedência ao fato, deve estar agindo como quem está casado, digo, pensando no bem maior, ou seja, no que será bom para ambos. Sempre, em tudo e por toda a vida.

A mente de uma pessoa casada, que traz consigo uma racionalidade de solteiro, está fadada ao fracasso, não obstante, motivo do alto índice de divórcio e vários outros casamentos, se é, que isso é possível, deixo aqui reflexão. (...)

Contrair matrimônio, é viver para alguém que se ama mais que a si mesmo, é estar feliz porque ela está feliz, é sacrificar com alegria, pensando num conjunto, é se alegrar simplesmente por estar feliz e isso para sempre, pela vida toda.


Refaça sua mente e tenha um casamento como Deus planejou para você. Uma benção.

sábado, 21 de maio de 2016

QUERO FALAR DE JESUS CRISTO

Há no coração do homem, uma multidão de necessidades, e vontades. Necessidade é aquilo que ele precisa, enquanto vontade é aquilo que ele deseja.

É certo que estas duas primícias coadunam dentro do coração e mente do homem, mas, após uma decisão livre de conversão à Cristo, outra coisa, uma mais excelente, haveria de comandar as mentes e corações – o conhecimento de Jesus Cristo.

Jesus Cristo é a suficiência máxima na vida de uma pessoa, é o ápice da existência terrena do homem, Ele é o mitte, o background, a plenitude dos tempos. Cristo é o cenário contemplativo que se expressa na vida de qualquer adorador.

Mas, por que as preocupações do homem estão voltadas para tantas distrações que não expressam o Deus único e verdadeiro? A resposta é porque o conhecimento de Cristo esta desfocado. Sim, o aceitamos como único Senhor e Salvador de nossas vidas, e vivemos para lhe prestar culto em todo momento e com todo o nosso ser, porém, o que sabemos dele?

Nas muitas necessidades presentes na vida de uma pessoa, poderíamos falar sobre a cura das enfermidades, ou sobre a prosperidade financeira, talvez, sobre a libertação dos cativos. O nosso Pai bem sabe de todas as necessidades. “Não temas, creia somente”. No exemplo dos dez leprosos, a ingratidão dos nove é penitenciada com a cura.

No desejo de conhecer a Cristo, as pessoas estudam as Escrituras. Leem e releem por diversas vezes a Torá, os livros dos profetas, buscando compreender a Cristo. Mas, há um engano, a estratégia não está bem fundamentada. Nós jamais compreenderemos a Cristo, estudando as Escrituras, o nosso entendimento jamais alcançará este alvo.

Só é possível entender à Cristo, estudando à Cristo, refletindo sobre Cristo, meditando sobre as Palavras de Cristo, sobre Seus ensinamentos. Então, compreendendo à Cristo compreenderemos também as Escrituras. Porque a Bíblia é Cristocêntrica.

Maria e Marta eram da cidade de Betânia, um dia, Jesus foi ter com elas. Marta estava preocupada com as tarefas da casa, mas Maria entendeu que Jesus chegou. Porque quando Jesus chega, tudo tem que esperar, nada mais tem importância, porque Jesus chegou. Ele é o Alfa e o Ômega. Nele tudo pode começar na sua vida e Nele tudo terminar.