terça-feira, 12 de setembro de 2017

Eu Profeta

“Porém Asa se indignou contra o profeta, e lançou-o na casa do tronco; porque estava enfurecido contra ele, por causa disto; também Asa, no mesmo tempo, oprimiu a alguns do povo”. 2 Cr. 16:10

Na diacronia histórica dos profetas, encontramos inúmeras situações como a do texto acima. O profeta sendo hostilizado por revelar a voz de Deus, a quem seja. Do mais simples até o mais ilustre, o profeta tem como ministério o anunciar da verdade revelada de Deus, não se trata de epifania ministerial, mas de um chamado convocatório, que se manifesta pela única e verdadeira vontade soberana de Deus na vida de um escolhido.

Este chamado traz consigo o peso da solidão, pois ao contrário dos pseudoprofetas que sempre fizeram e ainda fazem parte da história, a chegada do profeta causa temor ao povo, pois a sua chegada é sinal de correção, como no caso da chegada do profeta Samuel em Belém, quando houve alarde no povo, e diante deste temor, o afastamento é o caminho da derrocada humana.

Livres da ignorância e abertos para o amor de Deus, entenderemos que a repreensão do Senhor é sinal do seu intenso amor para conosco. Por isso, não rejeite a correção, aceite-a como dádiva daquele que tem o poder para mudar sua história, mas, que precisa te colocar no lugar correto, para que possa edificar sobre a sua vida, com alicerces que não possam ser destruídos.

Com a mensagem revelada e o coração contrito, não há limites para o que Deus possa efetuar na sua vida, a mudança da sua história, o caminho de uma nova trajetória, dependem do atentar dos seus ouvidos a voz daquele que traz em si todo o poder. A Ele toda glória para sempre, amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário